Florestas de mangal em Moçambique

Saiba mais sobre as florestas de mangal, um dos ecossistemas mais importantes de Moçambique, incluindo os serviços e bens que estas providenciam.

As florestas de mangal podem ser definidas como plantas lenhosas que crescem na interface entre terra e mar em ambientes de maré subtropicais e tropicais, onde existem em condições de alta salinidade, marés extremas, ventos fortes, temperaturas adversas, e substratos lodosos / arenosos. Não há outro grupo de plantas com adaptações morfológicas e fisiológicas tão desenvolvidas a condições adversas na terra.

Os sedimentos lodosos ou arenosos dos mangais são viveiros de uma enorme variedade de invertebrados infaunisticos e meiofauna epibenticos. Esta macrofauna forma um elo importante entre mangais e detritos orgânicos na cadeia alimentar e consumidores em níveis tróficos superiores, que incluem aves e espécies de peixes comerciais.

A estimativa atual da área de floresta de mangal em Moçambique varia entre 290.000 ha e 368.000 ha, dependendo do ano de avaliação e fonte de informação. Com base em uma avaliação recente, 28% desses mangais ocorrem no Delta do Zambeze, que também representa a maior área de florestas de mangal em África. Globalmente, Moçambique ocupa o 13º lugar em termos de cobertura de mangal, que é equivalente a aproximadamente 2,3% da área de floresta de mangal a nível mundial.

Em Moçambique, as florestas de mangal proporcionam inúmeros bens e serviços para as comunidades que vivem ao longo da costa. Eles são habitats críticos, uma vez que são cruciais para o funcionamento e conectividade dos habitats costeiros e marinhos, proporcionando um ambiente rico em nutrientes e abrigo para os peixes juvenis e invertebrados, em especial para camarões comerciais que são capturadas em mar aberto. Além disso, árvores de mangal são usadas como fonte de obtenção material de construção, lenha, e como uma fonte de taninos usados para conservar e para camuflar artes de pesca. Adicionalmente, estabilizam o litoral impedindo a erosão, contribuem para a desintoxicação e tratamento de águas residuais, e protegem áreas do interior de adversidades climáticas extremas como tempestade e eventos maré alta extremos. A retenção de carbono é outro dos importantes serviços providenciados por este ecossistema.

Se este ecossistema desaparecer os resultados poderão ser catastróficos. A Biodinâmica estuda e monitora ecossistemas marinhos e costeiros (incluindo mangais), assim como a biodiversidade associada. No final de 2014 a Biodinâmica publicou o Mozambique Marine Ecosystems Review em parceria com o CTV, um estudo financiado pela Fondation Ensemble.

 

Carlos Litulo

Técnico de Biodiversidade