Espécie da semana

Cuculus canorus, uma ave que parasita ninhos de outras aves

Nome científico: Cuculos canorus

Nome comum: Cuco comum

Classe: Aves

Ordem: Cuculiformes

Família: Cuculidae

Longevidade média: Pode viver cerca de 6 -7 anos em condições favoráveis.

Estado de conservação: Pouco preocupante (LC)

População: Tende a decrescer


Dieta

Alimentam-se geralmente de insectos, caracóis, aracnídeos e mais raramente de frutos

Dimensões

É uma ave com comprimento que varia de 32 a 34 cm e 55 a 60 cm de envergadura (da extremidade de uma asa à extremidade da outra). Geralmente, esta espécie pode pesar em média cerca de 100 g quando adulto.

Descrição

Cuculus canorus é uma ave Cuculiforme geralmente com cauda comprida (quase a metade do tamanho total do corpo), cabeça pequena, bico curvo e asas estreitas, compridas e pontiagudas, algumas vezes pode ser confundido com um Folcão em pleno voo. Apresenta coloração padrão que varia de acordo com as partes do corpo. A cabeça, o pescoço e a parte dorsal da ave apresentam uma coloração cinzenta escura e a parte ventral branca com barras pretas ou castanhas formando riscas transversais. A cauda possui uma coloração quase preta com as extremidades das penas brancas.

Habitat

Cuculus canorus é uma espécie migratória que durante o Verão migra de África para a Europa e Ásia e no Inverno para África. Indivíduos desta espécie, geralmente ocorrem em diferentes tipos de florestas (de coníferas e decíduas) e bosques, durante o período reprodutivo. A sua ocorrência é ditada em parte pela presença dos hospedeiros. Durante o periodo de crescimento, esta espécie pode ser encontrada em áreas arborizadas abertas, zonas húmidas, savanas arborizadas, pastagens, pradarias e zonas com habitações humanas.

distribuicao-do-cuculus-canorus

Distribuição

Cuculus canorus distribui-se desde o Norte de África e Península Ibérica, até à Península de Kamchatka, no extremo oriental da Rússia, passando pelas Ilhas Britânicas, pela Escandinávia, Sibéria, Índia, China, Vietname e Japão. Passa o inverno na África Sub-saariana, no Sul da Índia, no Sudoeste Asiático e nas Filipinas.

Reprodução

Cuculus canorus é uma ave parasita de criação. Esta deposita seus ovos em diferentes ninhos das espécies de aves hospedeiras que incluem aves canoras insectivoras como Melaenornis sp; Prunella modularis; Erithacus rubecula; Acrocephalus scirpaceus e outras várias, confiando nos hospedeiros para a encubação dos seus ovos e criação dos juvenis até a fase independente.

Indivíduos desta espécie, geralmente acasalam com mais de um indivíduo durante a estação reprodutiva que se compreende entre Maio a Junho a partir dos seus primeiros ou segundos anos de idade. No início da estação, as fêmeas procuram activamente ninhos para parasitarem, em que as aves hospedeiras estão no processo de postura. A fêmea de Cuculus canorus, coloca somente um ovo semelhante aos do hospedeiro por cada ninho do mesmo, apesar de apresentar geralmente um tamanho maior, e sempre retira um dos ovos (ou cria) que já ocupavam o ninho, e ingere-os. O Ovo do Cuco apresenta um período de incubação de 12 dias, geralmente menor que o período de alguns hospedeiros. Com 8 a 10 horas de vida, o Cuco juvenil retira os ovos ou crias do hospedeiro para fora do ninho para que possa ser alimentado e criado sozinho. Já com 19 dias de vida, as crias do cuco tornam-se habilitados de abandonarem os ninhos dos hospedeiros.

Ameaças

A agricultura intensiva, que resulta na diminuição de populações de insectos e hospedeiros, é a principal causa do declínio da população dos cucos. Associam-se também as mudanças climáticas, causando avanços dos períodos de migração das espécies hospedeiras levando à incompatibilidade de nidificação dos cucos.

Medidas de conservação

A população de Cuculus conorus encontra-se em declínio devido a agricultura intensiva, principalmente no Norte da Europa. Para minimizar este problema, há necessidade de se promover uma agricultura tradicional que protege e cria habitats e fontes de alimento para as espécies hospedeiras. Deverão também ser realizadas novas pesquisas sobre os efeitos das alterações climáticas e sobre monitorização das populações desta espécie.

Curiosidades

  • O nome comum da espécie Cuculus conorus surge do canto do macho “Cu-Cu” repetido várias vezes.
  • Só na Europa, esta espécie parasita cerca de 100 espécies diferentes de aves, mas cada fêmea se especializa numa espécie em particular.
  • O cuco coloca seus ovos em ninhos de outras aves, para não ter de criá-los.
  • O projecto “The Beijing Cucko” está a seguir as migrações de alguns destes indivíduos por transmissores de satélite. Na página do projecto é possível visualizar nos mapas o trajecto dos indivíduos marcados, desde a China até à África Subsariana.

No mapa seguinte, pode ver-se que um dos indivíduos marcados, de nome Flappy, já se encontra em Moçambique! As rotas dos indivíduos vão sendo actualizadas de maneira a perceber quais são os países que esta espécie pode migrar e qual o tipo de trajecto que fazem.

flappy-and-meng-as-at-15-january-2017

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Fontes

  • Schulze-Hagen, K., Stokke, B. G., & Birkhead, T. R. (2009). Reproductive biology of the European cuckoo Cuculus canorus: early insights, persistent errors and the acquisition of knowledge. Journal of ornithology150 (1), 1-16.
  • Davies, N. B., Kilner, R. M., & Noble, D. G. (1998). Nestling cuckoos, Cuculus canorus, exploit hosts with begging calls that mimic a brood. Proceedings of the Royal Society of London B: Biological Sciences265(1397), 673-678.
  • IUCN
  • Naturlink
  • The Beijing Cucko Project

 Imagens